A SECTI e a FACEPE divulgam o resultado da 2ª edição do Prêmio Miguel Arraes de Inovação Inclusiva

Miguel ArraesA Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação – SECTI e a Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco – FACEPE divulgam o resultado o edital 15/2017 – Prêmio Miguel Arraes de Inovação Inclusiva, em sua 2ª edição. Este ano não houve premiados por nenhuma proposta submetida ter atendido aos critérios de julgamento do edital.

Acesso o Resultado.

Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia – Edição 2017

Premio MercosulO MCTIC informa:

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia – Edição 2017 até 2 de março de 2018.

  • Tema: Tecnologias para a Economia do Conhecimento.
  • Premiação: US$ 25.500 + Troféus + Placas + Passagens e diárias para o agraciado participar da cerimônia de premiação.

Maiores informações em www.premiomercosul.cnpq.br ou pelo e-mail: pmercosul@cnpq.br.

Projeto financiado pela FACEPE é indicado ao Prêmio de Incentivo em Ciência, Tecnologia e Inovação para o SUS XVI Edição – Ano 2017

O projeto da pesquisadora, Maria Alice Varjal de Melo Santos, PhD em Saúde Pública, intitulado: Tecnologias integradas para controle biológico, mecânico e genético de Aedes aegypti está entre os indicados para o Prêmio de Incentivo em Ciência, Tecnologia e Inovação para o SUS XVI Edição – Ano 2017.

Maria_Melo-Santos O projeto foi apoiado pela FACEPE através do Edital 13.3/2012 – PPSUS REDE, vigente entre 2014 e 2016. O resumo do projeto para divulgação: “A dengue é hoje a arbovirose transmitida por mosquitos de maior repercussão epidemiológica no cenário mundial. Espécies invasivas, como Aedes aegypti e mais recentemente Aedes albopictus, desempenham um papel chave na expansão territorial das áreas de transmissão dos sorotipos do vírus Dengue. Diante da inexistência de uma vacina especifica, a principal forma de controle da incidência da dengue continua sendo a redução populacional dos mosquitos vetores, especialmente A. aegypti, a níveis que não representem riscos de surtos epidêmicos ou epidemias de grandes proporções. Apesar dos esforços empreendidos pelo Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD), mais de 3.500 dos 5.550 municípios brasileiros permanecem infestados pelo mosquito. Além da elevada complexidade associada às diferentes medidas/ações necessárias ao controle efetivo do mosquito, que por muitas vezes transcendem a governança do setor saúde, as dificuldades têm aumentado nos últimos anos com a constatação da disseminação da resistência aos inseticidas (organofosforados e piretroides) entre as populações de campo. A proposta deste projeto é avaliar tecnologias inovadoras, mais seletivas e ambientalmente seguras que possam ser integradas aquelas já dirigidas ao controle de A. aegypti, em espaços urbanos do Estado de Pernambuco/Brasil. Para tanto, metodologias de aplicação em spray de produtos à base de Bti (biolarvicida) visando a ampliação da cobertura de controle larval, o uso massivo de armadilhas (ovitrampas-controle) para coleta de destruição de ovos, bem como a liberação de machos estéreis do mosquito, são novas ferramentas que serão incorporadas á rotina do programa local de controle vetorial de A. aegypti, nas seguintes áreas: bairro da UR-07/Várzea/Recife, e na Ilha de Fernando de Noronha. O projeto será realizado com a colaboração de instituições de pesquisa (Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, CPqAM/FIOCRUZ/MS), ensino (Departamento de Energia Nuclear/UFPE), serviços em saúde (Secretarias de Saúde do Recife Estadual de Pernambuco), bem como do setor privado (Multiave). O projeto em questão se propõe a avaliar a efetividade e viabilidade das estratégias supracitadas e sua adequação a rotina dos serviços de saúde, com o intuito de disponibilizar aos gestores do SUS, sobretudo os envolvidos com a tomada de decisão para vigilância e controle vetorial de A. aegypti, subsídios técnicos sobre novas tecnologias hoje disponíveis ao PNCD.”

Esta foi, entretanto, apenas a primeira fase onde 64 projetos foram selecionados para a categoria Experiências Exitosas do Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde – PPSUS.

Na segunda fase, uma comissão julgadora composta por membros de diversas secretarias do MS, do MCTIC, do MDIC, da ANVISA, do CONFAP, do BNDES, da CAPES/MEC e do CNPq, entre outros, com notório reconhecido conhecimento na área de Ciência e Tecnologia em Saúde definirá em plenária as pesquisas premiadas sendo, 1 (um) primeiro, 1 (um) segundo e 1 (um) terceiro lugar nacional (até 27 propostas, sendo uma de cada UF). As respectivas FAP e SES vinculadas às pesquisas premiadas receberão menções honrosas.

Como Prêmio na categoria Experiências Exitosas do Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde – PPSUS, os coordenadores vencedores receberão: 1º Lugar Nacional (R$ 50.000,00); 2º Lugar Nacional (R$ 30.000,00); 3º Lugar Nacional (R$ 20.000,00).

A entrega da premiação ocorrerá nos dias 29 e 30 de novembro em São Paulo/SP, durante o evento “Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde 2017: conectando pesquisas e soluções”.

and Challenges promove o 1º Webinar'>Grand Challenges promove o 1º Webinar

Convite_webinar

Com objetivo de estimular a participação de pesquisadores brasileiros será realizado, no dia 10/10/2017 (terça-feira) às 16h, um webinar.

O evento trará orientações de como participar.

Acesse: bit.ly/2xShial

O “Prêmio Ricardo Ferreira ao Mérito Científico” deste ano vai para a Profa. Dra. Josefa Salete Barbosa Cavalcanti

A eleição do nome foi realizada na 2ª Reunião Ordinária de 2017 do Conselho Superior da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco – FACEPE em 06/06/2017 e este ano a área agraciada foi a de Ciências Humanas, Letras e Sociais. O Prêmio Ricardo Ferreira ao Mérito Científico será entregue no dia 25 de outubro do corrente ano no Salão Nobre da FACEPE.

WhatsApp Image 2017-09-20 at 10.13.03 (2)

A Profa. Josefa Salete Barbosa Cavalcanti é professora titular do Departamento de Sociologia do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco e dos Programas de Pós-Graduação em Sociologia e em Antropologia da UFPE e pesquisadora 1-C do CNPq. Tem doutorado em Sociologia pela Manchester University e mestrado em Antropologia Social pela  UFRJ, com pós-doutorado na University of Wisconsin/Madison e na Cardiff University.

Foi professora visitante: University of Wisconsin/Madison, Cardiff University, Sam Houston State University, Universität Hamburg, Freie Universität Berlin, Universidad Nacional del Comahue e Universidad Nacional de Córdoba. Foi Professora da UFPB. É membro do comitê científico do Doutorado em Estudios Sociales Agrarios- Universidad Nacional de Córdoba; professora titular da Maestria en Sociologia de la Agricultura, e do Doctorado en Estudios Sociales Rurales y Agrarios da Universidad Nacional del Comahue. Membro do comitê Executivo do RC40 da International Sociology Association, ISA (2010-2018).

Coordenadora e membro do comitê assessor do CNPq(2011-2014); foi membro da comissão de avaliação de cursos de pós-graduação da área de Sociologia da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ex-Secretária geral da Sociedade Brasileira de Sociologia (2005-2007). Ex-Vice-Presidente da Associação Latino-Americana de Sociologia Rural. Áreas de atuação: Antropologia e Sociologia, com ênfase em Sociologia Rural e Antropologia Rural. Principais temas: globalização da agricultura e dos alimentos; desenvolvimento rural, sociedades camponesas; desigualdades sociais; trabalhadores migrantes, trabalho e gênero.

Publicou 23 artigos, 27 trabalhos em anais, 61 resumos, 12 livros e 55 capítulos de livros. A profa. Josefa foi agraciada recentemente com o Prêmio Florestan Fernandes 2017 concedido pela Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS).

Expediente da FACEPE na sexta-feira, dia 08/09/2017

Por determinação do governador Paulo Câmara será considerado ponto facultativo, nas repartições publicas e entidades  administração direta e indireta,  no próximo dia 08 de setembro, sexta-feira, dia subsequente ao feriado da Independência do Brasil, 7 de Setembro. Assim, o expediente na Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE) será encerrado às 17 horas desta quarta-feira, dia 6, com o retorno das atividades às 8 horas de segunda-feira, dia 11 de setembro.

Segundo informações da Casa Civil, o decreto não se aplica aos órgãos que desenvolvam serviços cujo funcionamento seja indispensável, a juízo do chefe do órgão.

Assessoria de Comunicação FACEPE.

Ponto Facultativo - CEPE 02-07-17.

A SECTI e a FACEPE lançam a 2ª edição do Prêmio Miguel Arraes de Inovação Inclusiva

Miguel ArraesA Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação – SECTI e a Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco – FACEPE lançam o edital 15/2017 – Prêmio Miguel Arraes de Inovação Inclusiva, em sua 2ª edição, e convidam as organizações sem fins lucrativos, públicas ou privadas para apresentarem soluções tecnológicas, que demonstrem potencial para melhorar a produtividade e qualidade da vida das pessoas. Este prêmio concederá duas premiações. Ao primeiro lugar será oferecido o valor de R$ 10 mil e, para o segundo lugar, R$ 5 mil. O resultado está previsto para o dia 29 de novembro de 2017.

Por inovação inclusiva compreende-se a criação e o desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovadoras, realizado pelas ou para as pessoas situadas na Base da Pirâmide Social (BdPS) para melhorar a condição de vida, o processo produtivo e a geração de renda da população. No contexto de Inovação Inclusiva, é fundamental respeitar os princípios de protagonismo da sociedade no processo de desenvolvimento e utilização; respeito às diversidades territoriais e culturais; consciência ambiental e solidariedade econômica.

As propostas devem ser encaminhadas à FACEPE, via internet, pelo coordenador da instituição proponente por meio de Formulário eletrônico, no Sistema AgilFAP (http://agil.facepe.br), no período de 28/08/2017 a 13/11/2017. Após o envio, o coordenador proponente receberá, imediatamente, um recibo eletrônico de transmissão, que servirá como comprovante de protocolo.

O título do Prêmio é uma homenagem ao ex-governador do estado de Pernambuco, Miguel Arraes, que, de forma consistente em diversas iniciativas, demonstrou reconhecimento da capacidade criativa da população e da importância do desenvolvimento de tecnologias para a solução de problemas vividos.

Clique aqui e confira o edital

Cientistas apoiados pelo CNPq e FACEPE descobrem substância que barra zika vírus

Uma nova descoberta de cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) avança no combate ao zika vírus. Os pesquisadores encontraram uma substância capaz de bloquear a produção do vírus em células epiteliais e neurais.

A substância 6-metilmercaptopurina ribosídica (6MMPr) foi testada em laboratórios, e se mostrou eficaz em 99% dos testes realizados no Departamento de Virologia e Terapia Experimental da Fiocruz Pernambuco.

Outra vantagem é que a 6MMPr é menos tóxica para as células neurais, o que beneficia os tratamentos de infecções no sistema nervoso.

“Diante das manifestações neurológicas associadas ao zika vírus e dos defeitos congênitos provocados pelo mesmo, o desenvolvimento de antivirais seguros e efetivos é de extrema urgência e importância”, afirma o coordenador da pesquisa, Lindomar Pena.

A investigação da substância começou há um ano, financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (FACEPE). O próximo passo da pesquisa é uma avaliação in vivo, ou seja, feita em um organismo vivo.

Fonte: Portal Brasil