FACEPE divulga resultado final da Fase 1 do CENTELHA/PE

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE), vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI), divulga o resultado final da Fase 1 do edital 08/2019 – Programa Nacional de Apoio à Geração de Empreendimentos Inovadores – CENTELHA/PE. Foram 201 ideias aprovadas para a próxima fase, provenientes 21 municípios do estado de
Pernambuco.

Na Fase 2, os 201 proponentes que foram selecionadas deverão, então, elaborar um projeto de empreendimento, detalhando o plano de negócio executivo com o objetivo de demonstrar as chances da ideia gerar um bom negócio.

O Programa CENTELHA/PE contribuirá para o estabelecimento da ponte entre academia e indústria em Pernambuco, já que muitas das ideias vêm de pessoas ainda na universidade, tanto de cursos de graduação como de pós-graduação.

Além disso, o Programa Centelha abre espaço para participação de todos os cidadãos do estado, tanto para inscrever suas ideias como para interagir com os empreendedores e consolida uma forte rede de apoio ao empreendedorismo inovador.

Clique  no link abaixo para conferir o resultado.

RESULTADO FINAL – Edital 08-2019 – CENTELHA-PE

Facepe e Fapesp lançam edital para reduzir danos de acidentes ambientais petrolíferos

DAs Fundações de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco e de São Paulo (Facepe e Fapesp) lançaram edital convidando pesquisadores vinculados a Instituições de Ensino Superior ou Pesquisa (públicas ou privadas) dos dois Estados para apresentarem projetos científicos ou tecnológicos cooperativos destinados à prevenção e à mitigação de acidentes petrolíferos. A iniciativa conjunta faz parte da mobilização de esforços para reduzir os danos do desastre socioambiental decorrente do óleo que atingiu o litoral brasileiro. Clique no link abaixo para ter acesso ao edital Facepe 23/2019.

FACEPE-FAPESP-Edital 23-2019 – Acidentes Ambientais Petrolíferos – Versão final

Professora Lúcia Melo aborda estratégias e instrumentos para políticas públicas em CT&I em seminário na Facepe

ReduzidaAs estratégias e instrumentos para o desenvolvimento e implantação de políticas públicas de Ciência, Tecnologia e Inovação foram tema de seminário interno realizado na manhã desta sexta-feira (7), no Salão Nobre da Facepe, proferido pela ex-secretária estadual da área Lúcia Melo. O encontro reuniu colaboradores e gestores, além do presidente da Fundação, Fernando Jucá.

As questões ligadas ao contexto global das transformações em curso no mundo, a importância de uma estratégia para CT&I e os desafios para o fomento foram temas abordados por Lúcia no começo do seminário. Ela fez uma retrospectiva de marcos históricos que nortearam as políticas de investimentos mundiais na área desde o fim da Segunda Guerra. A pesquisadora também chamou a atenção para o papel do Estado no incentivo à tecnologia e inovação. “Quem bancou as grandes inovações que mudaram o mundo? O Estado é o responsável por todo o crescimento que a gente está vivendo hoje”, disse ela ao se referir às primeiras pesquisas que deram origem à Internet, entre outras inovações.

No quesito inovação, Lúcia apresentou dados e referenciais teóricos de pensadores como Shumpter, Freeman e Lundvall. Ela também destacou que as políticas públicas deste setor devem levar em conta aspectos transdisciplinares. “É quando você faz com que a sociedade participe do processo decisório das políticas da ciência e tecnologia. Os interesses da sociedade são incorporados”, disse Lúcia citando a Alemanha como país onde essa tendência é forte.

Em outro momento do seminário, a ex-presidente da Facepe analisou as mudanças ocasionadas pela revolução digital. “O impacto na organização da sociedade é muito grande principalmente a partir das redes sociais. A intensidade do uso dessas redes sociais muda as preferências, as escolhas e interferem em tudo, até nas eleições”.

Reduzida 2Outro tema salientado pela ex-secretária diz respeito a planejamento, considerado por ela um dos maiores desafios do Estado brasileiro. “A cultura do planejamento é muito no nível orçamentário e não no nível estratégico, é um planejamento operacional”. Esse ponto colocado por Lúcia tem a ver com o que ela analisa como uma falta de linearidade das políticas públicas nacionais em CT&I. “A descontinuidade é a maior fraqueza das políticas públicas no Brasil”, afirmou. O Proálcool foi um exemplo citado por ela.

 

Lúcia Melo finalizou o seminário elencando os desafios para o fomento em CT&I no país e em Pernambuco. Segundo ela, o fomento deve ser direcionado à demanda, à oferta e articular novos modelos institucionais promotores da colaboração entre atores dos sistemas de inovação. A pesquisadora também aponta que esses desafios devem ter orientação estratégica e antecipatória, além de buscar oportunidades para inovação, pesquisa e formação de recursos humanos.

FACEPE e Sebrae discutem futuras parcerias para projetos de inovação

2O presidente da Facepe, Fernando Jucá, e o superintendente do Sebrae, Francisco Saboya, estiveram reunidos na manhã desta quarta-feira (30) para discutir futuras parcerias. O encontro aconteceu na sede da Fundação e teve como objetivo pensar projetos de inovação para micro e pequenas empresas. A reunião contou com a presença de assessores da presidência e gestores das diretorias de Inovação e Científica da Facepe. Saboya ressaltou a necessidade das micro e pequenas empresas investirem em inovação devido aos avanços tecnológicos vividos pela sociedade digital cada vez mais conectada. De acordo com ele, as empresas que não acompanharem terão probabilidade de mortalidade maior.

Ainda durante a reunião, discutiu-se a possibilidade de o Sebrae disponibilizar consultores para auxiliar empresas e empreendedores na elaboração de projetos que possam concorrer em editais da Facepe. O superintendente disse ainda que o Sebrae já vem desenvolvendo algumas iniciativas na indústria 4.0. Uma delas é um projeto de sensores para aumentar a produtividades de micro e pequenas indústrias. O gestor do Sebrae falou também da necessidade de utilizar o novo marco legal de inovação para fazer encomendas tecnológicas. Ele acredita que a aproximação com a Facepe pode fortalecer o habitat de inovação em Pernambuco.

Abertas inscrições para o FameLab 2020

FameLab

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (FACEPE), através do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTCI), por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e o Conselho Britânico publicaram a Chamada Pública para identificar e apoiar estudantes no âmbito da competição internacional FameLab de comunicação científica. O concurso consiste na realização de uma apresentação oral sobre um tópico de ciência ou tecnologia, com a duração máxima de três minutos, sem recursos de apresentação.

O FameLab foi lançado em 2005 pelo Festival de Ciência de Cheltenham, na Inglaterra, e está presente em 32 países. São seus objetivos promover a aproximação entre cientistas e público em geral, por meio da contextualização e abordagem de temas científicos do dia a dia da sociedade; incentivar o desenvolvimento de competências de comunicação, em especial, a habilidade oral; desenvolver habilidades e oportunidades para cientistas e engenheiros se envolverem com o público de uma maneira interativa e informativa, reconhecendo a importância da comunicação; compartilhar conhecimento, inovação e ciência desenvolvidos em universidades, centros de pesquisa e empresas em uma ampla rede internacional; e fomentar a paixão por ciência e inovação.

Podem se inscrever pessoas com idade mínima de 21 anos e fluentes em Português e Inglês, sendo: brasileiros residindo no Brasil com Mestrado (stricto sensu), doutorado, pós-doutorado e livre-docente, em andamento ou concluído, nas áreas de Ciências da Vida ou Ciências Exatas, Tecnológicas e Engenharias em uma Instituição de Ensino Superior (IES) brasileira reconhecida pelo MEC; estrangeiros que estejam devidamente matriculados e cursando mestrado, doutorado, pós-doutorado ou livre-docência nas áreas de Ciências da Vida ou Ciências Exatas, Tecnológicas e Engenharias em uma IES brasileira reconhecida pelo MEC; ou candidatos de anos anteriores que não tenham sido contemplados com o prêmio podem submeter seus vídeos para avaliação novamente.

O vídeo de apresentação oral em português seguido da respectiva versão em inglês sobre um tópico de ciência ou tecnologia deve ainda ter duração máxima de seis minutos, sendo no máximo três minutos para cada versão. Os vídeos não podem fazer uso de Power Point ou outro dispositivo eletrônico de apresentação, deve estar sem música de fundo e sem edições ou efeitos especiais.

A FACEPE irá financiar despesas de viagem (passagem aérea, de ida e volta em classe econômica, e diárias, de acordo com a tabela http://www.facepe.br/fomento/valores-vigentes/) para 1 (um) bolsista FACEPE para participação nas etapas presenciais nacionais, no valor total de até R$ 13.000,00 (treze mil reais).

As candidaturas devem ser apresentadas até o dia 31 de janeiro de 2020, por meio de um vídeo de inscrição e realização de cadastro eletrônico on-line disponível no site www.famelab.com.br e no sistema AgilFAP da FACEPE, através dos seguintes passos:

  • Acessar o AgilFAP com seu login e senha (http://agil.facepe.br/);
  • Escolher, na aba Formulários, o item “Bolsas e Auxílios”;
  • Indicar, em Auxílios, a modalidade “APQ – Projeto de Pesquisa”;
  • Selecionar, em Natureza da solicitação, a opção “Edital 21/2019 – FameLab 2020”.

No formulário online do AgilFAP deve ser incluído o link do vídeo no Youtube através de um arquivo a ser anexado na página de Anexos.

Não serão aceitas pela FACEPE propostas submetidas em apenas uma das plataformas.

Os semifinalistas serão anunciados no dia 3 de abril de 2020 e os eventos nacionais, incluindo a final nacional, entre 4 e 8 de maio. O vencedor nacional disputará a final internacional, no Reino Unido, no mês de junho.

Acesse a Chamada completa: http://confap.org.br/pt/editais/33/famelab-2020

Mais informações através do site: www.famelab.com.br ou do e-mail: contato@britishcouncil.org.br .

Dúvidas sobre os critérios da FACEPE, entrar em contato com a gestora do programa Neildes Vieira Paiva, através do e-mail: neildes.paiva@facepe.br

FACEPE lança o Edital Emergencial 22/2019 – Contaminação por Petróleo

ÓLEO

A Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE), vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco (SECTI), divulga o lançamento do Edital 22/2019 – Apoio Emergencial para Estudos de Impactos e Mitigação da Contaminação por Petróleo no Litoral de Pernambuco e convida os pesquisadores capacitados, vinculados a Instituições de Ensino Superior (IES) públicas ou privadas sem fins lucrativos, e institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento públicos ou privados, sem fins lucrativos, no Estado do Pernambuco a apresentarem propostas de projetos de pesquisa para solicitação de apoio financeiro no âmbito do PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS PARA POLÍTICAS PÚBLICAS ESTADUAIS.

O recurso financeiro destinado a este edital é oriundo do Tesouro Estadual, num montante global estimado de R$ 2.400.000,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais). As propostas poderão solicitar recursos no valor máximo de até R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), desembolsáveis em até 12 meses e destinados a despesas de capital, custeio e bolsas.

O Governo Estadual, através da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação de Pernambuco (SECTI), vem atuando na consolidação de políticas públicas destinadas ao enfrentamento deste problema, que permitam mitigar os efeitos dessa catástrofe ambiental causada pela contaminação do petróleo derramado. Neste sentido, a FACEPE está lançando este edital de pesquisa, desenvolvimento e inovação, com áreas temáticas especificas, buscando principalmente aplicações que minimizem os impactos ambientais e sociais, além de permitir soluções para o enfrentamento do problema.

Poderão apresentar propostas pesquisadores doutores, que tenham vínculo empregatício permanente (celetista ou estatutário) com instituição científica ou tecnológica situada no estado de Pernambuco.

Os interessados devem encaminhar suas propostas à FACEPE via Internet, até as 17h, do dia 11 de novembro de 2019, por intermédio do formulário de solicitação de auxílio a projeto de pesquisa (modalidade APQ), disponível no Sistema AgilFAP (http://agil.facepe.br) da FACEPE.

Clique aqui e confira o edital.

Governador Paulo Câmara anuncia edital de R$ 2,5 milhões para pesquisas sobre toxidade do óleo encontrado no litoral do Estado

untitledApós uma reunião do governador Paulo Câmara e da vice-governadora Luciana Santos com pesquisadores e cientistas, na manhã desta quarta-feira (23.10), no Palácio do Campo das Princesas, o Governo de Pernambuco lançou um edital para estímulo a pesquisas sobre os efeitos das manchas de óleo encontradas no litoral do Estado, estudos oceanográficos e as consequências aos ecossistemas atingidos e à saúde da população. A iniciativa, que contará com um aporte de recursos de R$ 2,5 milhões, foi anunciada pelo secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Aluísio Lessa, logo após a reunião.
“O governador resolveu lançar um edital, através da Facepe (Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco), para contratar 12 projetos, em várias áreas, como na de Oceanografia, por exemplo, para medir a qualidade da água e saber se está apta para mergulho. Temos ainda a questão dos pescados. Isso tudo é para curto, médio e longo prazos”, explicou Lessa.
Ainda segundo o secretário, em curto prazo deve-se primeiro tratar o que está acontecendo nas praias, avaliando a chegada do volume de óleo. “Não sabemos ainda a característica desse derivado, o grau de toxidade dele, e esse edital vem também com esse objetivo, de identificar se ele vai comprometer a saúde das pessoas que tiveram contato direto”, argumentou.
O edital é voltado para a contratação de laboratórios, instituições e parcerias, conforme explicou o diretor-presidente da Facepe, Fernando Jucá. “Existem seis áreas temáticas de pesquisa e desenvolvimento, e são pesquisas aplicadas. Vamos tirar proveito dos conhecimentos, da competência que já existe instalada no Estado de Pernambuco, para aplicar nesse problema que temos em mãos. São grupos de pesquisas de instituições públicas e privadas que podem submeter seus projetos, no valor aproximado de R$ 200 mil cada um, para serem executados no prazo de um ano”, explicou Jucá.
“Vamos abarcar toda a cadeia de contaminação. Vamos desde a contenção dos contaminantes, passando pelo mapeamento que envolve a questão das correntes para onde está se deslocando esse óleo. Então, existe uma preocupação com a flora, com a fauna, com a qualidade dos alimentos, como o peixe, por exemplo. E existe ainda a preocupação de incentivar que a pesquisa aplicada vá na direção da saúde humana, para que a gente não tenha nenhum tipo de impacto além dos que a gente está vendo visivelmente nas praias”, detalhou o diretor-presidente da Facepe.
Também presente à reunião com o governador, o vice-reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Moacyr Araújo, professor do Departamento de Oceanografia da instituição, acredita que a academia tem um papel fundamental nesse processo. “Nós temos o departamento trabalhando com essa região há mais de 50 anos. A reunião com o governador foi uma iniciativa muito importante para aglutinar as forças acadêmicas e científicas do Estado, para fazer frente de uma forma mais orgânica e estruturada a esses acontecimentos”, disse o pesquisador.
De acordo com o vice-reitor da UFPE, algumas análises já estão em andamento. “A princípio, nós precisamos ter um plano, que já está sendo executado, de análise de todo esse pescado, de organismos como peixes e ostras. Sobretudo naqueles estuários que foram mais impactados. A partir daí, vamos ter um diagnóstico do nível de contaminação, mas já temos amostras sendo analisadas”, assegurou Araújo.
O professor Anderson Gomes, titular da Academia Brasileira de Ciências, também apoiou a iniciativa do investimento em pesquisas na área.
“O Governo de Pernambuco tem mostrado sua competência controlando a crise, mas há todo um desdobramento científico, pois temos um fato novo. Todo esse impacto precisa ser estudado cientificamente. Pernambuco tem competência para isso, e já deu exemplo dessa competência na área de pesquisas quando tivemos o problema com o Zyka, que foi equacionado a partir de ações como essa que vai ser feita a partir de agora. As medidas emergenciais que estão sendo tomadas agora são muito coerentes. Essa medida, a partir dessa reunião, mostra que o Governo do Estado está no caminho certo”, afirmou Gomes.